Dando o Melhor de Nós Mesmos por Daniel Ramam

Dando o Melhor de Nós Mesmos por Daniel Ramam

Foto_DanielHoje no ônibus do trabalho, vim pensando sobre meus projetos e o importante movimento atual de minha Vida. Entre minhas idéias e sonhos, pesquei um insight sobre porque realmente agora compreendo que todos, em qualquer situação, dão sempre o melhor de si.

Escrevendo essas linhas eu também acabo de realizar que somente consigo enxergar o mundo dessa forma devido ao meu sistema de crenças e valores que oferecem o terreno fértil para que essas impressões façam sentido para mim! Ou seja, é só quando eu assimilo e internalizo que estou sempre dando o melhor de mim, que posso compreender e respeitar a maneira própria dos meus semelhantes, como eles desejam ou podem se expressar.

Antes de seguir adiante, é importante registrar o que se passa dentro de mim que valida esse Sagrado Ponto de Vista. Compreendi que só posso me perdoar pelas minhas faltas quando entendo que, em todos os momentos, sempre busquei, em última instância, ser feliz! Ser feliz tentando dar o melhor de mim para o outro. Ser feliz expressando a minha verdade para o outro.

Sabemos que muitas vezes, o que eu desejo para o outro pode não ser o que ele julga ser melhor para si mesmo. E também aquilo que nos desejam ou nos oferecem nem sempre é o que buscamos, esperamos ou aceitamos no momento.

Somente quando há essa sincera aceitação interna, esse reconhecimento de nossas diversas facetas, e esse acolhimento de que tudo que fomos e que nos impomos faz parte da construção do nosso Aprendizado, é que o Perdão, naturalmente, pode emergir.

Quando chegamos nesse nível de entendimento, de auto-perdão, alcançamos profundas curas e desbloqueios em várias camadas de nosso Ser. E por conseqüência, somos capazes de nos expressar através do Amor com mais leveza e auto-permissão do que antes.

Então, a partir dessa visão pessoal, construída através de milhares de pequenas experiências do dia-a-dia, e alguns profundos movimentos de minha Vida, posso neste momento compartilhar esse insight: estamos todos dando sempre o melhor de nós mesmos, em todas as situações!

– Mas o que dizer daqueles mal-caráteres que enganam, dos tiranos, corruptos e assassinos, que oferecem o pior de si para o mundo?
– Esses também! Eles também estão dando o melhor de si!
– Como aquilo que é o que há de pior pode ser o “melhor de si”?
– Aí é preciso compreender mais dois ensinamentos que adubaram meu discernimento para essa abertura e compreensão: não existe culpa assim como não existem vítimas.
– Como assim?
– Quando percebo que eu sempre dei o melhor de mim independentemente se o que colhi foram flores ou flechas, percebo subjacentemente que o que a Vida me oferece também é sempre a melhor opção que poderia acontecer! Isso automaticamente me traz o Poder Pessoal e toda a Responsabilidade da minha Vida para as minhas próprias mãos!

Assim, fica desvelado para mim que culpa e vitimização são sempre artimanhas e armadilhas criadas por nossa própria falsa identidade para, ou nos livrar do fardo através da acusação e do julgamento, ou nos martirizarmos com o fardo, através da dramatização e do medo.

Nota-se com isso que a Responsabilidade é jogada sempre para o outro, porque a culpa é dele nos dois casos: ou ele é culpado pelo que fez com o outro (e aí eu julgo e condeno), ou é culpado pelo que fez comigo (aí eu reclamo e me vitimizo).

Mas quando esse olhar sobre o mundo com essa qualidade de acolhimento e gratidão é alcançado, a própria palavra “fardo” deixa de ter sentido, pois eu agora sei que a Responsabilidade pelo que me chega na Vida é minha. Assim, eu me torno co-criador da minha própria realidade, entendendo também que não há “acasos” nem “sorte” ou “acidentes” pelo percurso.

É por isso que eu entendo hoje porque os “piores” também estão dando o melhor de si, e como seus papéis são tão importantes quanto os papéis desempenhados maravilhosamente pelos santos e iluminados de todas as épocas!

Em verdade, esse é mais um véu que vem sendo retirado de minha turva e limitada visão: está tudo certo, tudo é aprendizado e crescimento, do Perfeito só pode advir a própria Perfeição.

Nesse sentido, entendo Perfeição como a Perfeição Divina, como um continuum , o Eterno Agora, o Sagrado Momento onde somente O Que É Real pode existir. Não é perfeição num sentido estagnado, onde já está tudo pronto e acabado! É um ato de eterno descobrimento, fluxo infinito que é a própria Vida…
Estamos “finitos”, mas Somos O Infinito.
Estamos “imperfeitos” com uma visão estanque, mas Somos a própria Perfeição
em Processo.
Estamos “separados”, mas Somos Um Só.
O “estar” é relativo a algo exterior e passageiro.
O “Ser” é completo com Tudo O que Há, Consigo Mesmo, e é Eterno.

Por isso, estamos sempre dando o melhor de nós mesmos.

Daniel Ramam
Músico autodidata e Terapeuta do Som

É PRECISO TRANSPIRARMOS A NOSSA LUZ!
É PRECISO HONRARMOS A NOSSA AUTORIDADE!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *