Ritual Fogueira Lua Crescente Maio 2015

Ritual Fogueira Lua Crescente Maio 2015

DSC06200O Ritual da Fogueira da Lua Crescente é um evento de comunhão. Comunhão com a natureza reverenciando os pontos cardeais e todo ser vivente, comunhão com próximo e com os distantes, comunhao consigo mesmo e comunhao com o grande espírito. Fazer parte do todo esse é o lema do ritual. Fazemos parte da natureza e ela parte nós. Lembrar que ainda que estejamos no asfasto e rodeados por concretos, concreto não é nossa origem. Viemos de vida, somos vida e a emanamos a cada pranayama.

Sentir o pulsar da energia conduzida pela mestre Athamis e com a importante participacao de indios da tribo Fulni-ô foi muito espiritual não apenas no sentido místico da palavra mas também em toda a vivência. A tribo Fulni-ô possui uma historia de longa data que reproduzo o texto da Fundacão Joaquim Nabuco.

Ao final do texto encontre as fotos do Ritual.

A Tribo Fulni-o

“Eles eram conhecidos, antigamente, como Carijó ou Carnijó e não se conhece o tempo da sua existência.

 A origem do nome Fulni-ô é muito antiga. Significa “povo da beira do rio” e está relacionada com o rio Fulni-ô que corre ao longo da aldeia de Águas Belas.

 Os índios têm convívio diário com os não-índios, são todos bilíngües, se vestem como os brancos, mas não perderam sua identidade. São os únicos indígenas do Nordeste brasileiro que mantêm viva a sua língua nativa a Yaathe (ou Yathê).

 A língua Yaathe, que significa “nossa boca, nossa fala, nossa língua” é oral, não possui cartilha. É aprendida pelos índios em casa com os familiares, no convívio doméstico e, segundo a professora Alieta Rosa, por intermédio de uma escola bilíngue que a aldeia possui*. Inclusive, existe um livro com o registro gramatical da língua.

Além da aldeia a comunidade possui na reserva um outro local de moradia, onde habitam durante três meses por ano por ocasião dos rituais do Ouricuri.

Até os anos trinta, as casas dos Fulni-ô eram construídas, exclusivamente, com a palha do ouricuri (planta da família das palmeiras). Hoje, a aldeia é composta por habitações individuais de taipa ou alvenaria, semelhantes às das populações pobres do Nordeste brasileiro.

 Os índios vivem do artesanato da palha do ouricuri, comercializado nas feiras livres da região, da agricultura de subsistência e de alguma criação de bovinos e suínos. Ainda praticam a caça e a pesca, mas essas atividades estão quase em extinção, devido aos desmatamentos e à poluição dos rios da região.

Os Fulni-ô utilizam para curar doenças muitas plantas que sobreviveram ao desmatamento. Possuem um Centro Fitoterápico de Reprodução de Mudas e Essências Medicinais, mantido com o apoio da Fundação Nacional da Saúde e da Unesco, onde são cultivadas várias plantas que servem como remédios populares distribuídos na aldeia.

 Como ornamentos e decoração são produzidos machados de pedra, bordunas, arcos e flechas.

 O uso do cocar, pintura corporal ou adereços não são marcas dos Fulni-ô. Para eles a origem do índio é a sua linguagem, por isso conseguiram mantê-la viva até hoje.”

Fundacao Joaquim Nabuco.

O Ritual foi tao marcante e reproduzo abaixo um texto de um participante que o registrou brilhantemente o ritual.

“o ritual da fogueira da Lua crescente foi muito interessante. Cantos indígenas, defumador, cachimbo de reverência ao passado e ao futuro, cada um jogou um pedaço de galho na fogueira simbolizando a queima das coisas ruins que temos que nos atrapalham. Cantos para energias positivas para as crianças, os necessitados, para os jovens, para o Rio de Janeiro, para o Brasil, para o planeta terra. Rodas de danças, abraços. Resumindo: um ritual simples, mas com grande forca. a proximidade com o fogo, com os índios (tinham dois participando), …com as pessoas, com a natureza nos religando a nossa essência. Foi muito bom! Boa noite e uma boa semana para todos.”
Ronaldo Joao

Gratidao Ronaldo e a todos aqueles que contribuiram para de alguma forma para a comunhao neste orbe que vivemos.

Nao perca o proximo ritual: dia 28 de junho as 19h.

Ahow.

Leo Romao.

DSC06217DSC06232DSC06195DSC06202DSC06193DSC06182DSC06187DSC06188

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *